A Enfermagem de Saúde Familiar em Portugal

quarta, 20 maio 2015 10:49 Pedro Melo, professor e investigador na Universidade Católica Portuguesa - ICS

PedroMelo 01634A inclusão da família como alvo dos cuidados de enfermagem tem o seu enquadramento internacional no Programa Operacional Saúde XXI, enquanto quadro concetual das políticas de saúde para todos na Região Europeia da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Novos desafios são colocados aos enfermeiros dos cuidados de saúde primários (CSP), pelo reconhecimento da sua contribuição na promoção da saúde familiar e coletiva e pelo seu papel de gestor e organizador de recursos potencializadores da família, enquanto sistema transformativo. A segunda Conferência Ministerial da Enfermagem da Organização Mundial de Saúde (OMS) – Região Europeia, com a aprovação da Declaração de Munique, em junho de 2000, reforçou o contributo dos enfermeiros na promoção, manutenção e restabelecimento da saúde familiar.

Neste trajeto, a Enfermagem de Saúde Familiar, fundamentada no conceito da OMS, emergiu como campo de atuação autónomo e diferenciado da enfermagem comunitária, mas mantendo o enquadramento em CSP, pela natureza dos mesmos e transversalidade da família enquanto alvo de cuidados.

No processo de criação da especialidade em Enfermagem de Saúde Familiar foi definido o perfil de Competências Específicas do Enfermeiro Especialista em Enfermagem de Saúde Familiar, publicado em Diário da República em Regulamento n.º 126/2011, de 18 de Fevereiro. O Enfermeiro especialista em Enfermagem de Saúde Familiar, detentor de conhecimento aprofundado num domínio específico de Enfermagem – Enfermagem de Saúde Familiar, demonstrará níveis elevados de julgamento clínico e tomada de decisão, traduzidos nas seguintes competências especializadas:

- Cuida da família como unidade de cuidados;

- Presta cuidados específicos nas diferentes fases do ciclo de vida da família.

Desta forma a família, enquanto unidade sistémica, assume-se como alvo e contexto de intervenção, promovendo o enfermeiro especialista em Enfermagem de Saúde Familiar, a sua capacitação face às exigências e especificidades do seu desenvolvimento. Prestando cuidados ao nível da prevenção primária, secundária e terciária, ao considerar a família como unidade de cuidados, focaliza-se tanto na família como um todo, quanto nos seus membros individualmente.

O Programa Formativo da Especialidade de Enfermagem de Saúde Familiar foi discutido e aprovado em Assembleia Extraordinária do Colégio da Especialidade de Enfermagem Comunitária (CEEC) da Ordem dos Enfermeiros (OE), de 16 de Julho de 2011, onde também foram aprovados os padrões de Qualidade dos Cuidados Especializados em Enfermagem de Saúde Familiar, aprovados igualmente em Assembleia-geral Extraordinária da OE de 22 de Outubro de 2011.

Os Padrões de Qualidade dos Cuidados Especializados em Enfermagem de Saúde Familiar são norteadores da prática especializada, contribuindo para a melhoria contínua da qualidade do exercício profissional dos enfermeiros. No âmbito regulamentar dos padrões de qualidade especializados, aos enfermeiros especialistas em enfermagem de saúde familiar, é-lhes atribuída, entre outras missões, o reconhecimento do potencial do sistema familiar como promotor de saúde; ser parceiro na gestão, promoção, manutenção e recuperação dos processos de saúde da família; ser o elo de ligação entre a família, outros profissionais e os recursos da comunidade, garantindo a equidade no acesso aos cuidados de saúde e, ainda, ser mediador na definição das politicas de saúde dirigidas à família, enquanto sistema social. Assume-se como importante recurso para os cuidados de proximidade disponibilizando cuidados de enfermagem em tempo útil, realizando a avaliação familiar e implementando intervenções promotoras de mudanças no funcionamento da família, enquanto unidade sistémica. Neste âmbito e numa abordagem sistémica e colaborativa sustentada pelo Modelo Dinâmico de Avaliação e Intervenção Familiar - MDAIF, desenvolvido pela Professora Doutora Maria Henriqueta Figueiredo (2012), o enfermeiro incentiva os membros da família a promover ativamente o seu funcionamento efetivo em todas as áreas relevantes na promoção e manutenção da saúde familiar.

Sob proposta da MCEEC, o Conselho Diretivo deliberou, em reunião de 07 de Dezembro de 2011, adotar o MDAIF, como referencial teórico e operativo em Enfermagem de Saúde Familiar. Este modelo tem os seus pressupostos e princípios de intervenção enquadrados no contexto dos CSP. Define os conceitos de Família, Saúde Familiar, Ambiente Familiar e Cuidados de Enfermagem à Família. A sua estrutura operativa, integrando as definições teóricas e operacionais sustentadas pelos pressupostos e postulados, permite a interligação entre as etapas do processo de enfermagem, constituindo-se como um instrumento orientador e sistematizador das práticas de enfermagem de saúde familiar. A avaliação familiar é centrada em áreas de atenção agregadas em três dimensões: estrutural (rendimento familiar, edifício residencial, precaução de segurança, abastecimento de água e animal doméstico), de desenvolvimento (satisfação conjugal, planeamento familiar, adaptação à gravidez e papel parental) e funcional (papel de prestador de cuidados e processo familiar). Integra, também, diagnósticos de enfermagem, intervenções e resultados, sustentados pelas definições do MDAIF, perspetivando a maximização do potencial de saúde das famílias, através da promoção de elevados níveis de ganhos em saúde, decorrentes dos cuidados de enfermagem de saúde familiar.

Emerge, neste contexto, a clara necessidade em afirmar a acessibilidade das famílias a cuidados de enfermagem especializados em saúde familiar. A adoção do catálogo de operacionalização de competências e respetivo programa formativo, os padrões de qualidade dos cuidados especializados em enfermagem de saúde familiar e a adoção do MDAIF como Referencial em Enfermagem de Saúde Familiar, permitem afirmar que Portugal se situa na vanguarda dos cuidados de enfermagem, no que diz respeito, em particular, à implementação da enfermagem de saúde familiar, garantindo-se o acompanhamento especializado da família, enquanto unidade de cuidados, ao longo do ciclo vital.

Nota: texto redigido de acordo com as normas do mais recente acordo ortográfico.