SEP suspende paralisação e SE adia entrega do pré-aviso de greve

sexta, 29 setembro 2017 15:53

Após nova reunião com o Ministério da Saúde, o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) suspendeu a greve agendada para os dias 3, 4 e 5 de outubro. O Sindicato dos Enfermeiros (SE) também adiou a entrega do seu pré-aviso de greve, que estava prevista para meados do mês, dado que o ministério ficou de lhe enviar um novo memorando negocial.

Apesar de não ter havido acordo entre a tutela e a CNESE (constituída pelo SEP e pelo Sindicato dos Enfermeiros da Madeira), houve alguma evolução e ficou uma nova reunião agendada para o dia 9 de outubro, motivo que levou à suspensão da greve.

"Apresentámos à mesa a nossa contraproposta e o Governo agendou nova reunião para 9 de outubro. Neste quadro a CNESE, de forma responsável e porque quer encontrar as melhores soluções, suspende a greve e cá estaremos dia 9", disse à RTP o presidente do SEP, José Carlos Martins.

Horas antes também José Azevedo, do SE, tinha anunciado o adiamento da entrega do pré-aviso de greve que estava prevista para o dia 16 de outubro, por haver "progressos nas negociações": "Ficou de nos ser enviado na quarta-feira um novo memorando. Adiámos para já a entrega de um pré-aviso de greve, mas podemos fazê-lo na quarta-feira. Não se trata de um cancelamento da greve que temos prevista, de maneira nenhuma. É um adiamento da entrega do pré-aviso", referiu.

"Nós começámos por propor que os enfermeiros viessem a ganhar mais 800 euros em três anos: 50% [400 euros] em 2018, mais 25% e em 2019 os restantes 25%. São esses valores que eles discordam, dizem que não têm dinheiro. Bem, se estão assim tão na miséria, então vamos dar 150 euros a todos os enfermeiros este ano e falamos em 2018 do resto. E aos especialistas, vá lá, dupliquem a parada e deem 300", afirmou à saída de mais uma reunião com o Ministério da Saúde.

O dirigente sindical acredita que está "próximo do entendimento" com a tutela, até porque, segundo lhe disseram, há "boas perspetivas do Ministério das Finanças dar aval para que se atualizassem todos os enfermeiros, não apenas os especialistas".