Ana Rita Cavaco apoia greve de zelo dos enfermeiros

segunda, 08 maio 2017 11:24

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OE), Ana Rita Cavaco, manifestou "todo o apoio" à greve de zelo anunciada por dois dos sindicatos do setor, que se inicia a 10 de maio, por considerar que estão "esgotadas todas as ações de diálogo com o Ministério da Saúde".

"A Ordem dos Enfermeiros não convocou a greve, mas apoia-a", disse Ana Rita Cavaco numa conferência de imprensa onde estiveram também presentes os presidentes dos sindicatos que marcaram esta greve por tempo indeterminado, Fernando Correia do Sindicato Independente Profissionais de Enfermagem (SIPE) e José Azevedo do Sindicato dos Enfermeiros (SE).

"Despedem-se enfermeiros nos hospitais, os administradores alegam que não têm autonomia e o ministro [da Saúde] diz que não tem autorização das Finanças", referiu a bastonária, afirmando que é altura do Governo decidir se quer "salvar os bancos ou salvar o Serviço Nacional de Saúde".

Além dos despedimentos, os responsáveis lembraram ainda que há serviços a serem encerrados por falta de enfermeiros. Se nada for feito por estes profissionais, José Azevedo admite que as formas de luta podem agudizar-se e culminar no "abandono dos hospitais", à semelhança do que aconteceu na Finlândia. Esta hipótese é também referida por Fernando Correia: se os enfermeiros tiverem de passar à fase seguinte da luta, "não haverá um único enfermeiro nos hospitais".

O presidente do SE - que lembra que os enfermeiros são "o setor público mais mal pago" - acredita que o facto da greve de zelo dos enfermeiros se iniciar no mesmo dia em que os médicos começam uma paralisação de dois dias dará "mais potência" à ação de luta.

A bastonária da OE gostaria de ver os sindicatos todos "juntos" neste protesto. Para Ana Rita Cavaco, esta "devia ser uma greve histórica da enfermagem".